quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Resenha do Filme "A Língua das Mariposas"


“A língua das Mariposas”

O filme “A Língua das Mariposas” retrata com clareza a influencia de um professor no processo de desenvolvimento cognitivo, pessoal, político e social de uma criança na época antecedente a guerra civil da Espanha.

Considerando os desafios que uma criança enfrenta nos seus primeiros dias de aula e a importância do professor no processo de superação dos mesmos, a personagem Moncho (Manoel Lozano), uma criança de sete anos, que apesar de nunca ter ido à escola, já sabia ler e escrever, se depara com seu primeiro dia de aula. Assustado com a ideia negativa que fora construída sobre professores que castigam às crianças, pensava que seu professor fosse igual aos da época e que iria castigá-lo ao menor descuido ou erro. Contudo, surpreende-se ao perceber que o seu professor Dom Gregório (Fernando Fernan Gómez) é uma pessoa diferente da imagem que ele fazia. Dom Gregório é uma pessoa tranqüila de expressões calma, sempre elegante e que garantia a eficiência de suas aulas por demonstrar um leque de conhecimentos. Além disso, os métodos utilizados para lidar com os problemas comuns aos professores, diferentes de seus colegas da época, surpreendiam a todos.

Moncho, o pequeno aprendiz, vive momentos de encantamento com as aulas do professor e passa a tê-lo como referencia e exemplo de educador. Surge, então, uma relação de amizade entre professor e aluno. Tal amizade, possibilitou ao aluno aproximar-se dos conhecimentos e até esclarecer seus questionamentos pessoais com o mestre. A partir daí, o garoto começa a desbravar o mundo, mediante os ensinamentos proporcionados pelo professor que ajudam o garoto a diversificar o olhar para o mundo em que se introduzia como ser social.

Em tempos de guerra, o comportamento de Dom Gregório incomodavam as pessoas que não compartilhavam dos mesmos ideais, desencadeando a fúria dos tradicionalistas que o prejudicaram politicamente. Quando a guerra teve início, os ditos republicanos, pessoas contrárias às leis pregadas pela Igreja Católica, foram presas pelo Estado. Entretanto, para surpresa do aluno Moncho e de sua família o professor amado também estava sendo levado, pois era um homem que não negava seus princípios e defendia os seus ideais. A postura do garoto no final do filme, quando insulta aqueles que os represam, mostra que o trabalho do professor não foi em vão e que aquele velho mestre tinha deixado sua semente ali plantada.

Algumas considerações

A postura do professor Dom Gregório no processo de construção do conhecimento é a de um realista, pois ao longo do filme, ele mostra a importância de ser um professor inovador, pesquisador, que se preocupa em renovar seus conhecimentos. Faz uso dos elementos concretos, um dos métodos preferidos de trabalho, estimulando os alunos a buscarem as respostas para os questionamentos que ele mesmo provocava.

No processo educacional, o professor considerava os conhecimentos prévios dos alunos, a exemplo do aluno Moncho quando questionado pelo professor no primeiro dia de aula e este valoriza a resposta do garoto.

A relação estabelecida entre o professor e o aluno vai além da relação educador e educando. A amizade estabelecida garantiu a ampliação de conhecimentos do pequeno. O filme, apesar de ter passado numa época diferente da que vivemos hoje, nos traz exemplos claros de como devemos despertar o aluno em sala de aula. Mostra a importância de o professor está sempre se atualizando, aperfeiçoando sua prática pedagógica, visando o seu próprio desenvolvimento e o do aluno.

Um comentário:

  1. Gostei muito de sua resenha. Entretanto não entendi a parte que vc disse "quando insulta aqueles que os represam,". A quem Moncho estava insultando? O professor? Estaria assim demonstrando o que a multidão, o que um povo inebriado pela propaganda, pelo temor dos novos tempos pode fazer? Ou aqueles que estavam levando o professor embora, os representante de uma nova ordem política e social?

    ResponderExcluir